13 de Janeiro de 2020

A ESTABILIDADE DOS ECOSSISTEMAS ESTÁ EM PERIGO DEVIDO À CRISE CLIMÁTICA

O delicado equilíbrio que mantém as relações entre espécies como as plantas e os organismos dos solos (fungos, bactérias…) está em perigo pela crise climática. Esta é a conclusão a que chegou um estudo realizado por 11 instituições científicas internacionais, liderado por Francisco I. Pugnaire, professor de Investigação do CSIC na Estação Experimental de Zonas Áridas.

Os descobrimentos desta investigação foram publicados num especial da revista científica Science Advances, dedicado concretamente aos efeitos sobre a biodiversidade nas mudanças climáticas. Este trabalho expôs uma análise precisa sobre a interacção entre plantas e os organismos dos solos, esta relação afecta directamente à situação dos ecossistemas no seu conjunto.

«As mudanças climáticas obrigam as árvores e as plantas a procurar condições mais favoráveis no norte e o mesmo irá ocorrer com os organismos dos solos, mas uns e outros não o irão efectuar tudo de uma vez, senão que se vão separar e isso irá alterar o equilíbrio entre as espécies», explica Pugnaire. Este será um processo comprido e durante esse tempo chegaram novas espécies que irão modificar os nutrientes, atraindo novos parasitas que desenvolvem um comportamento invasivo. É dizer, podemos concluir que a situação de emergência climática vai mudar por completo os ecossistemas actuais, alterando-os descontroladamente.

A publicação desta investigação coincide com a celebração da COP25, a Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Madrid. Não é casual, pois o objetivo deste estudo de dar una «evidência científica actualizada» sobre os efeitos da situação climática aos políticos que participaram nesta cimeira. Pugnaire assegura que pretende oferecer aos responsáveis umas bases científicas sólidas para formar as suas decisões durante este período crítico. Por outra parte, o autor expõe também a sua intenção de chegar aos cidadãos para «aumentar a consciencialização e a reação social, que é um factor chave para pressionar aqueles que têm que tomar as medidas».

A revista Science Advances publicou junto a esta investigação de um estudo liderado por Brian Enquist, professor de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade do Arizona, que adverte que quase 40% das espécies de plantas terrestres do mundo estão em risco de extinção. Estas e outras investigações formaram o especial da revista relativo à crise climática, que suma contínuas advertências por parte da comunidade científica respeito à situação crítica.

Fonte: EFE