22 de Julho de 2019

IDEALIZAM UM ALGORITMO PARA PREVER O ÊXITO EM HOLLYWOOD

Segundo as estatísticas, o mundo do espectáculo, o setor do show business tal e como o conhecemos… nem sempre alberga a estabilidade ou a vida de sonho que nos apresentam em muitos casos os meios de comunicação. Os números falam por si só: a taxa de desemprego entre os atores e atrizes de cinema e televisão ronda os 90%, pelo que apenas um 2% da população é capaz de viver da sua profissão.

Por outro lado, aqueles intérpretes que tem a sorte de preservar uma trajetória duradoura, supõe uma minoria frente aos 70% cujo momento alto não se extende mais além de um ano em toda a sua carreira. Não é nenhum segredo que até os nomes mais influentes tem os seus altos e baixos, mas será possível detetar com mais ou menos exatidão quando se produzirão estes períodos? Ou quando terá lugar o período de maior explendor de uma estrela de cinema?

Desde a universidade britânica de Queen Mary, acham que sim. Graças à inteligência artificial, uma equipa de matemáticos conseguiu desenvolver um algoritmo que dá a conhecer o melhor ano da carreira de um ator ou atriz. E não é só isso, também nos permitirá saber em concreto se esse ano está por chegar ou se no contrário, já passou sem termos dado conta.


metropoliabierta.com

Segundo Oliver Williams, da Escola de Ciências Matemáticas: “O ano mais produtivo da carreira de um ator define-se como aquele no qual teve um maior número de trabalhos acreditados (…) Só uns poucos serão premiados com um Óscar e imprimiram as suas mãos no Passeio da Fama (de Hollywood, Estados Unidos), mas isso não é o importante para a maioria dos atores e atrizes que simplesmente querem ganhar a vida, o que provavelmente é uma melhor forma de quantificar o êxito numa indústria tão dura”.

No estudo levado a cabo (e publicado na Nature Communications), observam-se os sinais que precedem ou seguem essa época de bonança ou “annus mirabilis” e, a partir das mesmas, são feitas previsões com uma precisão de 85%. Assim, tendo como base de dados o IMDB (Internet Movie Database), uma das maiores e mais populares fontes em matéria cinematográfica, foi possível analizar a trajetória de 1,5 milhões de atores e 896.000 atrizes desde 1888 até 2016.

Esta análise não só deu lugar ao dito algoritmo. Com o tempo, deu visibilidade à “grande evidência da diferença de género” na indústria. As atrizes tem carreiras mais curtas, o seu auge tende a ocorrer no início da carreira e é muito mais díficil recuperarem de um período díficil. Também se demonstra que casos como os de atores que retomam a interpretação após uma queda ou um longo afastamento, está entre os factos mais difíceis de prever.

Em todo o caso, e sempre de acordo com os experts, “o destino de cada ator não está completamente determinado”. Quem sabe se num futuro próximo este algoritmo não poderá ser aperfeiçoado e influenciará as decisões de estrelas e artistas de toda a índole. Imaginemos ser capazes de calcular a possibilidade de êxito ou de alcançar a fama mundial?

Fonte: EFE